Insira Aqui Um Filme: Oscar 2010

Acho desnecessário tecer comentários sobre meu gosto por cinema, afinal todos que me conhecem sabem que, vez ou outra, encarno a diplomada em cinema e escrevo umas críticas singelas pro Pipoca Combo, certo? O que vale ressaltar é que nós (do Pipoca Combo, claro) faremos mais um live blogging pra acompanhar a maior festa do cinema, bem como suas injustiças, bizarrices, as mal vestidas, aquela cara de nádega do ator que tinha por certo o prêmio e teve que se contentar em abrir um sorriso amarelo e bater palminha pro concorrente. E tenho que dizer que adoro tudo isso.

Mas não, isso tudo fica pra cobertura do Oscar. O que vim fazer aqui é consequência do que chamo de “Maratona Oscar 2010”. No que consiste? Bem fácil, consiste em assistir a pelo menos os 10 concorrentes a melhor filme. Por tabela, acabo conhecendo muitos outros candidatos dos outros prêmios, já que é condizente que um aspirante a melhor filme possua outros pontos positivos. Como todo o tempo que eu levei baixando torrents indo ao cinema não poderia ser todo utilizado apenas com um live blogging de algumas horas, decidi fazer aqui minhas considerações sobre os 10 candidatos. Logicamente também faço por ego: nunca antes na história do Oscar eu conheci todos os concorrentes antes da cerimônia. Quero fazer uma breve revisão de cada um, sem levar em conta aspectos técnicos, blá, blá, blá. É apenas eu e meu gosto, independentemente dele ir de acordo com a crítica especializada ou não. E dane-se que eu não faço cinema. Vamos lá.

Lembre-se: as chances citadas são em relação a “Melhor Filme” somente. Todos os links de críticas levam à página do Pipoca Combo correspondente à crítica do filme. Se não há link, ainda não há crítica.


* * *


Amor Sem Escalas (Up In The Air):
Crítica
Também concorre a: Melhor Diretor (Jason Reitman), Melhor Ator (George Clooney), Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Atriz Coadjuvante (Vera Farmiga).

Sinopse: Um executivo solteirão encarregado de despedir funcionários de outras companhias adora viajar e colecionar milhas em voos. Um dia chega uma garota na empresa propondo uma forma de executar o mesmo serviço sem que sejam necessárias essas viagens carérrimas. Ele, então, precisa ensinar a ela como demitir pessoas. Em determinado momento, ele conhece uma mulher bastante parecida com ele e começa com ela um relacionamento.

- Minha visão completa pode ser lida naquele link acima se você tiver paciência depois de tudo isso. Vencedor do Globo de Ouro de melhor roteiro, pra mim não passa de um filme um pouco acima do comum por não ser previsível, mas não é brilhante como todos andam falando. Aliás, que nome infeliz. Eu gostaria de saber se quem traduz esses títulos assiste aos filmes antes de cometer essas atrocidades. Galera, não é comédia romântica! Pra que usar a palavra “amor”? Em Portugal ele virou “Nas Nuvens”... Soa estranho, mas faz mais sentido. Chances de Oscar: zero.


Avatar (Avatar):
Crítica
Também concorre a: Melhor Diretor (James Cameron), Melhor Direção de Arte, Melhor Fotografia, Melhor Edição, Melhor Trilha Original, Melhor Mixagem de Som, Melhor Edição de Som e Melhores Efeitos Especiais.

Sinopse: Os homens descobriram que o planeta Pandora é rico em um recurso natural de cujo nome eu não me lembro agora. Para explorar o território, os humanos criaram uma espécie de segundo corpo, justamente chamado de Avatar, capaz de se infiltrar neste novo mundo. Jake toma o lugar do seu irmão morto e assume seu avatar, pois não tem nada a perder (paralítico, sem família, etc). Lá conhece o povo Na’Vi e Neytiri, princesa e prometida a outro guerreiro.

- Os fãs desse filme dividem-se em duas frentes xiitas: os haters e os lovers. Encontro-me no centro desta briga. Um filme que passa Titanic em arrecadação na bilheteria, mesmo com um ingresso muito mais caro, estava fadado a levantar tanta polêmica. Só digo que adorei o filme e o Oscar de efeitos especiais sempre foi dele. James Cameron é um nojento esnobe, mas soube utilizar a fortuna que gastou e o tempo em que ficou de molho em alguma suíte de luxo por aí pensando no sucessor de Jack e Rose. Roteiro clichê, coisas previsíveis, mas é tudo tãããooo lindo de se ver na tela que os defeitos não impediram o sucesso. Chances de Oscar: a Academia não consegue se manter neutra diante de um faturamento e 2 bilhões, então uns 99%? Os prêmios técnicos, quase todos, já são dele.


Bastardos Inglórios (Inglorious Basterds):
Crítica
Também concorre a: Melhor Diretor (Quentin Tarantino), Melhor Roteiro Original, Melhor Ator Coadjuvante (Christoph Waltz), Melhor Fotografia, Melhor Edição, Melhor Mixagem de Som e Melhor Edição de Som.

Sinopse: Os tais Bastardos do título são um grupo judeu de extermínio aos nazistas. Liderados por Aldo Raine (Brad Pitt), conseguem ser tão cruéis quanto o próprio exército a serviço dos ideais de Hitler. Ao mesmo tempo, conhecemos a jovem Shosanna Dreyfus, que viu sua família ser brutalmente assassinada a mando de Hans Landa e, mais tarde, elabora um plano de vingança contra os responsáveis pela tragédia.

- Confesso que os filmes do Tarantino nunca me impressionaram como eu tenho a sensação de que deveria ser. Muito sangue, luta e tortura nunca foram um atrativo pra mim (mulherzinha, mimimi). Mas este filme em especial me conquistou de primeira. Aquelas confabulações em paralelo, os diálogos, os personagens (ênfase a Brad Pitt que está sensacional), enfim, tudo se completa. A violência toda é justificável e acaba ficando até elegante em algumas situações. Além de tudo, é uma visão diferente sobre o nazismo – estamos acostumados a ver os judeus como vítimas impotentes e sem poder de reação, mas aqui eles saem das tocas. Chances de Oscar: aquele 1% que faltou a Avatar. Pelo menos é a minha torcida.


Distrito 9 (District 9):
Crítica
Também concorre a: Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Edição e Melhores Efeitos Especiais.

Sinopse: Para a insatisfação dos humanos, alienígenas se instalaram na Terra e tentam sobreviver com muita precariedade. Enquanto executa o serviço de apresentar ordem de despejo para os aliens, Wikus é contaminado e, gradualmente, começa a se transformar em um deles.

- Brilhante. Qualquer outra coisa que eu possa dizer sobre este filme é puro adorno. Assim como em Bastardos Inglórios, aqui também se tem um outro ponto de vista de uma situação já explorada no cinema (a invasão dos alienígenas). Em vez de americanos hasteando uma bandeira e declarando o dia da derrota dos invasores como o Dia da Independência, temos uma amostra de como o ser humano consegue ser mais cruel do que as criaturas horrendas que se aglomeram em favelas e vivem em condições humilhantes. Extremamente metafórico. Chances de Oscar: não acredito que ganhe, mesmo sendo ótimo candidato e certamente um dos que eu mais gostei na lista. Então é zero.


Educação (An Education):
Crítica: coming soon. Eu mesma farei, prestigiem futuramente.
Editado: Crítica já publicada
Também concorre a: Melhor Atriz (Carey Mulligan) e Melhor Roteiro Adaptado.

Sinopse: Jenny é uma adolescente muito inteligente, dedicada aos estudos, amante da arte e sonha conhecer a França. Entra em sua vida David, um homem mais velho que deslumbra a jovem com um mundo mais glamuroso do que a estudante poderia sonhar ou, segundo ela pensa, conquistar apenas com os livros.

- O que mais me impressionou neste filme foi descobrir que a protagonista, que interpreta uma menina de 16/17 anos, tem, na verdade, 23. E enquanto eu assistia ao filme, pensava que colocaram uma garota jovem demais pro papel. Enfim, é um filme ótimo também, com certeza muitos estudantes universitários – ou que sonham em ser algum dia – vão se identificar com a Jenny. Quem nunca se perguntou se todo o esforço dos estudos um dia valeria a pena? Sempre bate esse desespero em época de provas e vestibular, a concepção do mundo balança, os valores se abalam e somente quem tem coragem não se deixa vencer por essas dúvidas. Chances de Oscar: se a lista ainda fosse composta por 5 títulos, certamente Educação não estaria lá. Zero.


Guerra ao Terror (The Hurt Locker)
Crítica
Também concorre a: Melhor Diretor (Kathryn Bigelow), Melhor Ator (Jeremy Renner), Melhor Roteiro Original, Melhor Fotografia, Melhor Edição, Melhor Trilha Original, Melhor Mixagem de Som e Melhor Edição de Som.

Sinopse: O filme retrata o cotidiano de um esquadrão antibomba no Iraque. E só.

- Pra mim, o mais cansativo da lista (não confunda com “pior”). O filme tem duração de 2 horas e praticamente a única coisa que os soldados fazem é desarmar bombas num ambiente desértico. O objetivo é alcançar uma tensão, mas isso feito à exaustão perdeu um pouco do valor. Uma hora você simplesmente consegue prever o que vai acontecer, não é surpresa. Muita gente gostou, mas eu ficava olhando os minutos pra acabar :( Chances de Oscar: eu acharia divertidíssimo que a ex-mulher do James Cameron tirasse pelo menos um prêmio dele, mas não acredito nisso. Zero.




Um Sonho Possível (The Blind Side)
Também concorre a: Melhor Atriz (Sandra Bullock).

Sinopse: Michael Oher, também chamado de Big Mike, é um jovem desajustado com dificuldades de aprendizado e um grande potencial para os esportes. Sua vida muda quando vai morar na casa de uma mãe de família solidária que luta pelo seu futuro. Inovador (sobe a placa de "ironia").

- Fica a pergunta: o que este filme, que não traz nada de novo, está fazendo aí? Ah, a lista tem que ter 10 títulos, lembrei. Outra pergunta: o que Sandra Bullok faz concorrendo a Melhor Atriz? Sabe-se lá. Chances: -5%.







Preciosa (Precious)
Também concorre a: Melhor Diretor (Lee Daniels), Melhor Atriz (Gabourey Sidibe), Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Atriz Coadjuvante (Mo’nique) e Melhor Edição.

Sinopse: O filme conta a história de uma garota negra, pobre, obesa, analfabeta, abusada pelo pai, na segunda gravidez. A única coisa que sua mãe faz é ofendê-la verbalmente, quase sempre sentada no sofá em frente à TV, e aproveitar-se da neta, fruto dos estupros sofridos pela própria filha, para receber um benefício do governo.

- Você acha sua vida ruim? Assista a esse filme. É tudo tão absurdo que às vezes é difícil acreditar que alguém realmente passe por isso. A infelicidade fica, mais uma vez, por conta dos tradutores. Precious é sobrenome da garota, então qual o objetivo de traduzi-lo? Pior, acrescentaram um subtítulo (Uma História de Esperança) que eu me recuso a colocar. O atrativo do filme, além de uma participação de Mariah Carey (ela era atriz?), são as atuações. A última cena de Mo’nique vale o filme inteiro e certamente minha torcida por Melhor Atriz Coadjuvante. O roteiro em si não me cativou tanto quanto muitos andam dizendo. Chances de Oscar: zero.


Um Homem Sério (A Serious Man)
Também concorre a: Melhor Roteiro Original.

Sinopse: O filme conta as desgraças por que passa Larry, um professor universitário. Sua mulher o traiu e está trocando por um colega seu, seu filho é um rebelde sem causa, sua filha uma menina fútil e reclamona, seu emprego está ameaçado por consequência de um aluno com nota baixa. O resto ainda estou tentando entender.

- Sinceramente, daqueles que você termina de assistir e fica “ok”. Típico filme que vai cair nas graças dos pseudo-cults do circuito cinematográfico e dos que gostam de tirar leite de pedra. Claro que se você começar a ver coisa onde não existe, achará o que quiser. O fato é que eu não gostei e nem odiei. Com certeza é um dos que só estão na lista pra que ela chegasse aos 10 títulos e pra Academia poder se vangloriar de que dá oportunidade pra coisas mais alternativas em contraste aos blockbusters. Chances: zero.





Up – Altas Aventuras (UP!)
Crítica
Também concorre a: Melhor Roteiro Original, Melhor Filme de Animação, Melhor Trilha Original, e Melhor Edição de Som.

Sinopse: Carl Fredricksen é um velho e rabugento viúvo. Na juventude, sonhava ir com a esposa Ellie até as Cataratas do Paraíso, mas o desejo nunca chegou a ser realizado. Entra em cena o garotinho Russel, um pequeno escoteiro que deseja receber sua última medalha de serviços prestados a idosos. Uma conjunção de fatos leva ambos a partirem para uma viagem num veículo peculiar: a casa de Carl movida a balões coloridos.

- Não é segredo pra ninguém: sou fã da Pixar, sou sobretudo fã de animações. São os filmes que eu mais aguardo e faço questão de vê-las no cinema, acho simplesmente fantástico do que elas são capazes e admiro sobretudo a arte nelas envolvida, o carinho, o trabalho minucioso, a dublagem. Este filme em especial tem os famosos minutos sem fala que retratam a vida de Carl e Ellie até a morte dela. De fazer chorar. Mas está na lista só pra ser “a animação que chegou a concorrer a Melhor Filme”. Só uma observação: é a única animação dos 10 melhores e concorre a Melhor Animação também. Ou seja, ele já ganhou ou a Academia realmente está esclerosada. Chances: zero.

20 comentários:

Bruh disse...
5 de fevereiro de 2010 18:03

Baixarei e voltarei a comentar. Já que não vi NENHUM da lista ;O
Mas parecem interessantes. Gostei do seu ponto de vista. Se Avatar não ganhar ficarei muito feliz -q

Gabriel Vilela. disse...
5 de fevereiro de 2010 18:05

Eu queria saber tbm o que Blind Side e Um Homem Sério tá fazendo na lista dos 10 melhores. Pelo trailer e sinopse dos dois, já dá pra ver que não deviam estar ai.

Enfim, os comentários tão ótimos. Deu trabalho pra vc fazer, mas ficou muito bom.

Mas não acho que Avatar fica com 99% de chances de ganhar não u_u

Cici disse...
5 de fevereiro de 2010 18:12

Concordo com a Bruh. Se Avatar não ganhar, ficarei mais do que feliz. E se Up ganhar ficare feliz³

Harry disse...
5 de fevereiro de 2010 18:14

Discordo sobre o "A Serious Man" e eu farei a crítica para o PC. Espero que até lá eu não seja mais considerado pseudo-cult nem tirador de leite de pedra. Rs.

Paulo disse...
5 de fevereiro de 2010 18:43

Já vi 6 dos 10 filmes e concordo com todas as suas críticas, Érika, com excessão da de "Guerra ao Terror" que é um filme que tem, sim, chances de ganhar a estatueta (não se depender de mim, ainda prefiro Bastardos Inglórios), mas é um filme que tem muitos momentos de tensão, algumas cenas descontraídas e, algumas vezes, diálogos bonitinhos, rs. Ou seja, passa longe de ser boring.

Ainda falta eu assistir Educação, Preciosa, Um Sonho Possível e Um Homem Sério. Bora ver se mudo de favorito. kk

Anônimo disse...
5 de fevereiro de 2010 19:12

Precious chance zero? E a mão de Oprah?! A concorrência dele é direta com Avatar, se perder é a força de 2 bi.
Vale ressaltar que dramas pessoais tem um forte peso na escolha, q se lembre de Amadeus,Forest Gump, A lista de Schindler, o próprio Titanic....

Anônimo disse...
5 de fevereiro de 2010 19:15

Ah.... esqueci Gia Fama e Destruição da lista de dramas pessoais que levaram a estatueta pra casa

Bruno disse...
5 de fevereiro de 2010 20:06
Este comentário foi removido pelo autor.
Bruno disse...
5 de fevereiro de 2010 20:10

0% PRA GUERRA AO TERROR? Érika, eu não faço cinema, mas dadas as circunstâncias, se Avatar ganhar de Guerra ao Terror que será uma surpresa. RS

Explicando: Guerra ao Terror venceu o DGA (Directors Guild of America) de Melhor Filme. Em apenas 6 anos de 60 o vencedor do DGA não foi o mesmo do Oscar.

A Kathryn Bigelow ganhou para melhor diretora no DGA. Em apenas DUAS vezes em 60 o melhor diretor do DGA não foi o mesmo do Oscar.

Guerra ao Terror tem mais de 50% de chance, dado esses fatores. Pode não ganhar, mas tem. u_u

Beijos, gostei do post RISOS (pra falar que li tudo)

v. disse...
5 de fevereiro de 2010 20:14

Darei pulos de alegria se Avatar vencer.

v. disse...
5 de fevereiro de 2010 20:14

P.S.: Fui irônico.

Ed disse...
5 de fevereiro de 2010 20:57

Então. Em certos pontos concordamos. O ápice da concordância foi a cena final de Mo'Nique. Acho insuportável a ideia de alguém ganhar atriz coadjuvante que não seja ela. Penélope Cruz? Que mal fala inglês?

Outro denominador comum é não entender o que se passa com tradutores. Se o título do filme é nome da personagem, põe o nome da personagem. Vão traduzir todos os nomes? E que história é essa de inventar mais coisa? Daqui a põe vão botar "Windows- Abra suas Janelas pra o Mundo Virtual". u.u

Uma coisa que vale ressaltar é a minha extrema felicidade com Anna Kendrick. Não que ela tenha atuado brilhantemente. Eu achei que qualquer coadjuvante de Crepúsculo ficaria preso nessa categoria, digamos, não muito boa. Ela não. Conseguiu sair e ainda arrematou indicações a prêmios. Deixo aqui meu "Bravo!"

Só mais uma coisa. Sim, Brad Pitt fez um ótimo Aldo Raine, mas Christoph Waltz indubitavelmente roubou a cena. "It's a bingo!" é algo que terei na memória para sempre.

No todo, gostei das críticas. Tentarei comparecer mais a este blog.

Ed disse...
5 de fevereiro de 2010 21:44

PS: Esse live blogging do Oscar me salvou ano passado. Principalmente, você, a única pessoa de quem me lembro e que respondeu minha pergunta sobre Mickey Rourke. Estava eu no fim do mundo, todos os live streams carregados demais para minha internet portátil e a Globo achando que desfile de Carnaval é melhor que Oscar. u.u
Fica aqui meu obrigado a você e ao PC.

Anna disse...
6 de fevereiro de 2010 05:30

[JM aqui, sim eu só uso a conta da minha irmã!!!] cara, eu também amei Bastardos. e tem gente que achou boring etc, eu achei genial. ele brinca com os idiomas e com a História de uma maneira tão irresponsável, ele faz mulecagem naquele filme!!! amei. Brad Pitt falando italiano UHAYSHAUSHAUHSUAHS <3

mas isso aí já é de Avatar, tá na cara. apesar de que, só do filme CONCORRER eu já acho um ultraje.

Maria Clara disse...
6 de fevereiro de 2010 06:18

ai, vamos por partes. pela primeira vez na vida, eu assisti a um monte dos filmes indicados a melhor filme EAEAEAAEE.

eu gostei MUITO de up in the air. sabe, eu me identifiquei com o filme principalmente por tratar do mundo dos negócios e de uma tarefa relacionada a RH, que eu estudo e continuarei estudando. o george clooney transmite muita segurança no papel. e a história das milhas me impressionou muito. eu não sabia como funcionava.

eu vi avatar e também estou no centro, como você. não tenho nada a declarar que você já não tenha dito.

eu já vi bastardos umas 8x. eu fico impressionada até hoje com a atuação do christoph waltz. e gostei justamente porque a brutalidade física é justificada. é um sangue que não foi enfiado, mas encaixa-se com os diálogos, com o contexto. amei.

eu assisti a guerra ao terror como você: olhando quantos minutos faltavam pra acabar. não entendi a história e não tenho saco para filmes sem diálogos em que apenas observamos...

up é o meu preferido de todos. eu chorei muitas vezes durante o filme, mas ri infinitamente em outras. já vi duas vezes, sendo a segunda no dia seguinte à primeira. é tudo tão bonito! e o jeito que contaram a história torna tudo tão possível! aiai é lindo demais <33333

v. disse...
6 de fevereiro de 2010 07:33

Você não conhece a magnânima obra dos Irmãos Coen e seu jeito peculiar de fazer cinema, por isso não entendeu "A Serious Man", Érika. [/comentário pseudo-cult]. :P

Marcela disse...
6 de fevereiro de 2010 13:29

A academia está esclerosada mesmo (sobre o finzinho do comentário de Up). Eu juro que não tinha reparado, hahahaha. Que mongóis.

F@bielle disse...
6 de fevereiro de 2010 15:14

Só vi um filme dessa lista, kk.

Mas juro que um dia eu tomo coragem e baixo todos.

Olha, eu fiquei com medo de assistir "Preciosa" e ficar traumatizada, risos.

Adorei o post, beijos.

Érika Zemuner disse...
7 de março de 2010 21:49

Antes que venham jogar na cara: Guerra ao Terror continua sendo um filme CHATO PRA CARALEO.

Abraços.

fridanopaisdasmaravilhas disse...
10 de março de 2010 18:33

Érika, você é pior que a Trelawney para fazer predições. Os 99% que você deu para Avatar foram pro ralo por exatamente o filme que você deu 0% de chance...

Back to Home Back to Top Insira Aqui Um Título. Theme ligneous by pure-essence.net. Bloggerized by Chica Blogger.